Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

voos de mulher

E ela não passava de uma mulher... inconstante e borboleta. [Clarice Lispector]

nestes sons emaranhados de silêncios

28.10.21 | voosdemulher

14 Agosto 2020.jpg

Escrevo para me manter viva, sentir nas sílabas o pulsar das veias, envolver cada patética palavra inventada com o sonho que me atravessa o peito.

É nestes sons emaranhados de silêncios, patéticos desabafos, que sinto que respiro e busco algum alimento, e desalmadamente verto inteira a alma e o corpo, derramando tudo o que tenho até à última gota.
 
Que seria eu sem a escrita? 
 
(pessoal)

Picasso ,25 de outubro de 1881

25.10.21 | voosdemulher

picasso fase azul.jpg

Picasso nasceu a 25 de Outubro de 1881.
Obra da fase azul, "a vida", a que mais gosto. ( Não publico aqui Guernica por respeito ao quadro e ao que significa).
Fase azul, a primeira fase de Picasso, sendo que é também das mais reconhecidas. Nesta fase o tema é a vida, incluindo as suas obras essencialmente melancolia, tristeza, sofrimento, solidão, pobreza, morte, dor, nomeadamente o horror da guerra.
 

o fim do dia aconteceu assim, como todos os fins que me pertencem.

18.10.21 | voosdemulher

ceu.jpg

Aqui guardo tudo o que é bom de guardar. Principalmente as lições do tempo. A dor das lutas. A coragem das conquistas, a força, o silêncio... os pedaços que sozinha tive de unir...
Às vidas que deixei partir.
Prefiro a vida sem filtros , é sempre mais bonita e verdadeira. O fim do dia aconteceu assim, por aqui, como todos os fins que me pertencem.
 
Teresa Matos

todas as noites contam

17.10.21 | voosdemulher

voos.jpg

Já não contamos os dias 
já não contamos as noites que levamos deste trilho,
já não contamos as horas que passamos sem nos vermos 
já não contamos os dias do nascer do sol distantes 
nem as noites que se riscam uma a uma nas nossas peles.
 
Já não contamos as noites 
nem todas as noites as contamos,
já não contamos as noites 
mas todas as noites contam.
 
(T.Matos)

os dias vão minguando

14.10.21 | voosdemulher

outono.jpg

 

Os dias vão minguando, a lua acende-se mais cedo, mas o sol brilha esquecendo que é outono. O mar está calmo e morno embriagado nos seus azuis. Os rios correm serenos sem sofrimento entre as margens. Os poetas escondem-se nas sombras das árvores pelo tempo desnudadas, descascam romãs no banco do jardim, escrevem poemas nas folhas mortas.

As horas claras vão minguando,as noites de insónia crescendo, alimentando o sonho que em cansados lençóis de cetim vai desdobrando os dias em versos.
 
(Teresa Matos)
 

Pág. 1/2