Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

voos de mulher

E ela não passava de uma mulher... inconstante e borboleta. [Clarice Lispector]

Peço-te ,Senhor

15.11.21 | voosdemulher

traços.jpg

 

Peço-te, Senhor 
Que me guies no trilho da luz 
Fazei que saia desta minha cruz.
 
Por vós oro em louvor 
Ergo as mãos aos céus 
Fecho os olhos e rezo 
Peço por tudo que prezo 
São meros desejos meus 
Quero sarar a ferida.
 
Afagar a dor 
E viver a vida 
Simplesmente em amor. 
 
(J.Ferreira)

cai o muro

09.11.21 | voosdemulher

muro Berlim.jpg

Hoje, lembro 9 de Novembro de 1989, do lado da Alemanha, Berlim. Cai o muro.O muro que apartava o mundo caía. Desfazia-se a cortina que dividia como morte. Uma terra sem amos, uma terra sem muros, uma terra fraterna...A realidade histórica segue a mostrar que o ódio constrói/destrói , mas o amor também destrói/constrói . Que outra construção diferente da que foi e da que tem sido prevaleça. 

Caiu o muro...aquele muro. Vieram outros, subtis, disfarçados  em nome da democracia. Talvez mais perigosos.
Fico-me pela utopia de uma terra com igualdade e responsabilidade social mas também em que cada um de nós tem de contribuir para o colectivo.
 
Um abraço sem muros...
 
Teresa Matos
 

 

 

o futuro

09.11.21 | voosdemulher

silencio.jpeg

Tudo o que nos resta é o futuro, dizias-me baixinho. E eu pensava tudo o que nos resta é o presente. O futuro é demasiado vago. O futuro é um horizonte para onde se caminha às apalpadelas.
O futuro é um lugar onde não há ninguém.

encaixar corpos e sorrisos com pingos de chuva

01.11.21 | voosdemulher

romã.jpg

Isto não passa dum puzzle.  Mas isto, o quê? A que peças te referes? A que imagens? A que sons? A que cheiros? Sei lá. Talvez a estas inconsistências de sentir as coisas no seu fim. Os pingos de chuva por exemplo. Encaixam. Molham. Limpam.

Esta humidade outonal tanto embacia os olhos como aviva as cores. Acho que não gosto desse puzzle. 
Fins? Isso dói. Gosto desta continuidade distendida a contemplar o mar, os caminhos, as folhas caídas ou não. Difícil encaixar peças. Afinal a chuva molha mais do que limpa. As coisas escorregam e não há portais que as sustenham. Puzzles!!
Isso é como abraçar? Encaixar corpos e sorrisos com pingos de chuva e lágrimas e tudo. Com ou sem medo? Sem medo, caramba...
 
Teresa Matos