Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

voos de mulher

E ela não passava de uma mulher... inconstante e borboleta. [Clarice Lispector]

procuro-te

12.08.21 | voosdemulher

image.jpeg

Procuro-te por entre as gotas ácidas de uma chuva de rostos humanos, à mercê da própria dor. Procuro-te por entre os becos das avenidas, nas pedras incipientes da calçada fria rafada por pés mundanos. És apenas o pensamento esquecido e empoeirado pendurado nas arestas da minha alma. Onde te escondes dos olhares que te ignoram, que não se conjuram a pensar na tua fugaz existência?
És vulgar mas no entanto procuro-te.  Procuro-te…. responde-me voz alheia e imperceptível onde te escondes?

Nas faces dos velhos que imploram a carícia de uma mão face à rugosidade da pele?

No olhar das crianças pedindo gotas de colo num choro, tão indelével como a sua meiga voz?

Na fome de um qualquer mendigo que anseia um naco de pão?
Na face da solidão que se roça pelos poros de um corpo incapacitado à nascença?
No coração que pulsa à falsa fé o sentimento, a seiva humana que nos dá a visão do próximo?
Onde te escondes?
Procuro-te em dedos entrelaçados ao cair da noite, em horas fugazes. Em silêncios que gritam segredos profundos de almas dilaceradas num último adeus.
Procuro-te porque és memória presente de um sorriso que o tempo não se atreve a apagar. És volúpia incessante, palavra distante, voo, luar...

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.